Torá, Pentateuco, Taurahsa

Informações Gerais

Torá (uma palavra hebraica que significa "instrução"), no seu sentido mais lato, refere-se a todo o corpo docente do judeu incorporadas no Antigo Testamento e do Talmud e mais tarde em Rabínico comentários.

Nos primeiros tempos bíblicos, a expressão oral significou a instrução dos sacerdotes em rituais, jurídicas, morais ou perguntas.

Aos poucos o nome foi aplicado a escrita das coleções sacerdotal decisões, mais especificamente à escrita Direito Mosaic contido nos cinco primeiros livros da Bíblia - Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio - também chamado de Pentateuco. A Torá, na este último aspecto, é preservado em pergaminhos guardados na arca de cada sinagoga; leitura da Torá é central para a sinagoga de serviço.

ACREDITO
Religioso
Informações
Fonte
web-site
Religioso
Informações
Fonte
web-site

Nossa lista de 2300 Assuntos Religiosos
E-mail
Bibliografia


Lieberman D, A Eterna Torá, partes 1 (1979) e 2 (1983); M Norte, Uma História de Pentateuchal Tradições (1972); JA Sanders, Tora e Canon (1972).

Torá

Informações Gerais

A Torá (hebraico, "lei" ou "doutrina"), no judaísmo, é o Pentateuco, especialmente quando na forma de um pergaminho se deslocar para a leitura na sinagoga.

A Torah é a pedra angular da religião judaica e de direito.

Os pergaminhos são considerados mais santos e são amados pelo piedoso; cada sinagoga mantém várias páginas, cada uma das quais pode ser protegido por uma cobertura de tecido rico e decorado com prata ornamentos.

Um feriado especial em honra da Torá, conhecida como Simhath Torá (hebraico, "alegria na Lei"), é celebrada na sinagoga de cantar, dançar e de marcha e com os pergaminhos.

O termo Torá também é usado para referir o conjunto das Escrituras dos judeus, juntamente com os comentários sobre eles. Os comentários, que surgiram através dos séculos fora de discussão aprendidas, são chamados Torá oral para os distinguir do Pentateuco si, a Torá escrita.

Pentateuco

Informações Gerais

O Pentateuco é cinco vezes o volume, constituído pelos cinco primeiros livros do Antigo Testamento.

Esta palavra não ocorre nas Escrituras, nem é seguramente conhecido quando o rolo foi assim dividido em cinco parcelas Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio.

Provavelmente isso foi feito pela LXX.

tradutores.

Alguns críticos falam de um moderno Hexateuch, introduzindo o Livro de Josué como um do grupo.

Mas este livro é de um caráter completamente diferente dos outros livros, e tem um autor diferente. É evidente por si mesmo como o primeiro de uma série histórica de livros que se inicia com a entrada dos israelitas em Canaã.

(Ver Josué.)

Os livros que compõem o Pentateuco são adequadamente, mas um livro, a "Lei de Moisés", o "Livro da Lei de Moisés", o "Livro de Moisés," ou, como os judeus designá-lo, o "Torah" ou "Lei ".

Que, na sua forma actual, que "produto de um único autor é provado pelo seu plano e objetivo, segundo o qual todo o seu conteúdo referem-se ao pacto celebrado entre Jeová e seu povo, pela instrumentalidade de Moisés, de tal forma que antes de tudo seu tempo é percebida como preparatório para este facto, e tudo o resto deve ser o desenvolvimento da mesma. Contudo, esta unidade não foi carimbado como lhe é uma questão de necessidade, o mais tardar redator: ele foi lá, desde o início, e é visível em primeiro plano e em toda a execução do trabalho. ", Keil, Einl.

id AT

Uma determinada escola de críticos se fixaram para reconstruir os livros do Antigo Testamento.

Por um processo de "estudo científico" de terem descoberto que o chamado histórico livros do Antigo Testamento não são de todo história, mas uma coleção de diversas histórias, as invenções de diversos escritores, corrigida em conjunto por uma variedade de editores!

No que se refere o Pentateuco, eles não são atributo vergonha de fraude, conspiração e até mesmo, aos seus autores, que tentou encontrar aceitação ao seu trabalho que era composta, em parte, com a idade de Josias, e outra parte em que de Esdras e Neemias, dando que, na realidade, é a obra de Moisés!

Este não é o lugar para entrar em pormenores da presente controvérsia.

Nós podemos dizer francamente, porém, de que não temos fé neste "maior crítica".

Ela degrada os livros do Antigo Testamento, abaixo do nível do humano falível escritos, e os argumentos em que se construíram as suas especulações são totalmente insustentável. As evidências a favor da Mosaic autoria do Pentateuco são conclusivos. Pode-se então indicar alguns deles resumidamente:,


No que diz respeito à Páscoa, por exemplo, vamos encontrá-la frequentemente falada ou da alusão a livros históricos na sequência do Pentateuco, mostrando que a "Lei de Moisés" foi, então, certamente conhecido.

Foi celebrada no tempo de Josué (Josh. 5: 10, cf. 4:19), Ezequias (2 Chr. 30), Josias (2 Reis 23; 2 Chr. 35), e Zerubbabel (Esdras 6:19 -- 22), e é referido em tais passagens como 2 Reis 23:22; 2 Chr.

35:18; 1 Kings 9:25 ( "três vezes em um ano"); 2 Chr.

8:13. Da mesma forma, podemos mostrar frequentes referências à Festa de Tabernacles e outras instituições judaicas, embora não admitem qualquer argumento válido que pode ser sacado a partir do silêncio das Escrituras, em tal caso.

Um exame dos textos seguintes, 1 Reis 2:9; 2 Reis 14:6; 2 Chr.

23:18; 25:4; 34:14; Ezra 3:2, 7:6; Dan.

9:11, 13, também irá mostrar claramente que a "Lei de Moisés" foi conhecida durante todos estes séculos.

Concessão que, no tempo de Moisés existiam certas tradições orais ou escritas registros e documentos que lhe foram divinamente levou a fazer uso de na sua história, e que a sua escrita foi inspirada pela revista sucessores, este será inteiramente por conta certas peculiaridades da expressão que os críticos têm chamado de "anacronismos" e "contradições", mas de modo nenhum argumento contra a doutrina que Moisés foi o autor original do conjunto do Pentateuco.

Não é necessário para nós para afirmar que o todo é uma composição original, mas nós afirmamos que as evidências demonstram claramente que Moisés foi o autor desses livros que chegaram até nós que tem o seu nome.

O Pentateuco é certamente a base necessária e preliminar de todo o Antigo Testamento, história e literatura.

(Veja Deuteronômio.)

(Easton Dicionário Ilustrado)

Torá

Judeu Viewpoint informação

Nome aplicado aos cinco livros de Moisés, Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.

O conteúdo da Torá como um todo são discutidos, a partir do ponto de vista da moderna crítica bíblica, ao abrigo do Pentateuco, onde um quadro dá a diversas fontes, embora a sua importância como centro de cristalização para o cânone hebraico bíblico é tratada a Canon.

O presente artigo, portanto, limita-se à história do Pentateuco na pós-bíblica Judaísmo. A Torah recebe o seu título a partir de seu conteúdo, a própria denominação connoting "doutrina".

O Hellenistic judeus, no entanto, traduzido por ele νόμος = "lei" (por exemplo, LXX., Prólogo para Ecclus. [Sirach], Philo, Josephus, e do Novo Testamento), de onde veio o termo "direito-book", este deu lugar à ideia errada de que a religião judaica é puramente nomistic, para que ele ainda é frequentemente designado como a religião da lei.

Na realidade, porém, contém ensinamentos da Tora, bem como leis, mesmo tendo a última sido dada em forma ética e das narrativas históricas contidas em um caráter ético.

Nome.

Nos livros da Bíblia os seguintes nomes do Pentateuco ocorrer: na II Chron.

xvii. 9, Neemias.

ix. 3, e, com o epíteto acrescentado, II Chron.

xxxiv. 14; enquanto sozinha, sem, é encontrada em II Reis x.

31, I Chron.

xxii. 11, II e Chron.

xii. 1, xxxi.

3, 4, e xxxv.

26. Às vezes, nem uma palavra de significado semelhante, é acrescentado, como, Josh.

xxiv. 26 de Neemias.

viii. 18 (sem, ib. X. 29).

Outra designação é, Josh.

viii. 31, xxiii.

6; II Reis xiv.

6; Neemias. Viii.

1; ou, ii I Reis.

3; II Reis xxiii.

25; Mal.

iii. 22 (iv AV. 4), com a adição de; Ezra iii.

2 (com a adição de), vii.

6;, II Chron.

xxv. 4 (precedido por), xxxv.

12. É sem dúvida o mais antigo nome (Deut. i. 5; xxxi. 9, 11, 24; xxxii. 46; Neemias. Viii. 2), às vezes abreviada (Deut. i. 5; xxxi. 9, 11, 24; xxxii . 46; Neemias. Viii. 2), ou a (viii Neh.. 5), ou a (Deut. xxxiii. 4).

Os dois últimos nomes ocorrem com muita freqüência na tradição judaica, onde a Torá se torna uma criatura viva.

A expressão "os cinco livros", que é a origem da expressão "Pentateuco", ocorre apenas na tradição judaica, que também foi a fonte para "Genesis", etc, como os nomes dos livros do Pentateuco (cf. Blau, "Zur Einleitung no Heilige Schrift morrer", pp. 40-43).

Quinário Divisão da Torá.

De acordo com todos os críticos, independentemente da escola a que pertencem, a Torá faz uma única obra, que é representado, mesmo com os dias atuais, pelo synagogal Escolha da lei; história também não conheço nenhuma outra Torah scroll.

Os cinco vezes cisão do Pentateuco foi meramente devido a causas externas, e não a uma diversidade de conteúdo; em volume para a Tora faz mais de um quarto de todos os livros da Bíblia, e contém, em números redondos, as cartas de 300000 1100000, em toda a Bíblia.

Um trabalho de longe ultrapassada essa bússola o tamanho normal de um indivíduo se deslocar entre os judeus, e consequentemente a Torá se tornou um Pentateuco, sendo, portanto, análogo ao homérico poemas, que originalmente formaram um único épico, mas que foram, posteriormente, dividida em vinte e quatro peças cada um.

Divisão em secções.

Tal como eles, por outro lado, o Pentateuco foi dividido de acordo com o sentimento e com um excelente conhecimento do assunto (Blau, "Althebräisches Buchwesen", pp. 47-49), enquanto que também foram feitas em subdivisões do chamado aberto e fechado " parashiyyot ", cuja interrelação exata ainda não está clara.

Lá estão em todas as seções 669, 290 abertos e 379 fechados.

Outra classe de parashiyyot divide as aulas por semana, agora chamado "sidrot," em sete partes.

A Tora recai igualmente, com base nos ensinamentos para o sábado, em 54 sidrot acordo com o ciclo anual, e em 155 para o segundo ciclo trienal.

A antiga divisão, que agora é utilizado quase universalmente, é a Babilónia, e esta última, que foi recentemente introduzido em algumas congregações Reforma, é o palestino. A última classe de sidrot, no entanto, não tem nenhuma marca externa de divisão na rola da sinagoga, enquanto que as divisões no antigo, como o parashiyyot, são indicados por espaços em branco de comprimento variável (ver Sidra).

Isso provavelmente significa uma maior antiguidade para as seções que são assim designados, embora as divisões em 5845 versos, que parecem ser ainda mais antigas, não têm marcas ida.

O sistema dos capítulos foi introduzida no edições da Bíblia hebraica, e, consequentemente, para a Torá, a partir da Vulgata.

Este modo de divisão não é conhecido da Masorah, porém, foi incorporado no final Massorético notas, para cada um dos livros do Pentateuco.

É dado em hebraico moderno edições da Bíblia simplesmente com base nas edições estereotipada do Inglês Bible Society, que se seguiu exemplos anteriores.

Tradição Judaica e da Torá.

A forma externa da Torá é discutido em artigos tais como manuscritos, marque da lei, e Manto da lei; mas tão numerosas são as afirmações relativas à sua tradição de conteúdo e seu valor, mesmo que a repetição de uma parte muito pequena deles seriam muito superiores aos limites deste artigo.

Cada página do Talmud e Midrash está repleta de citações do Pentateuco e com o mais afetado do que elogios, unidos com super-humana e amor divino respeito dessa situação.

Nos cinco volumes de Bacher sobre o trabalho da Haggadah, o seu estudo Tora e de uma forma especial de cada theaccount na rúbrica "SOFER", ou estudioso do Direito.

Com toda a probabilidade nunca lá foi outra gente, excepto talvez o Brahmans, que rodeou o seu santo escritos com tal propósito, transmitir-lhes, ao longo dos séculos com essa auto-sacrifício, e preservou-los com tão pouca variação para mais de 2000 anos.

As letras muito da Torá foram Suspeitos de ter vindo de Deus (BB 15a), e foram contadas com atenção, a palavra "soferim" denota, de acordo com o Talmud (Ḳid. 30a), "os contadores das letras."

Uma classe especial de estudiosos dedicou toda sua vida para o cuidado da preservação do texto ( "Masorah"), a analogia único na literatura do mundo a ser encontrado na Índia, onde os Vedas foram rigorosamente preservada por meios semelhantes.

Preexistência da Torá.

A Torah é mais velho que o mundo, para que existisse quer 947 gerações (Zeb. 116a, e paralelos), ou 2000 anos (Gen. R. viii., E paralelos; Weber, "Jüdische Théologie", p. 15) antes da Criação .

O Pentateuco original, portanto, como tudo celeste, constou de fogo, sendo escrito em letras negras da chama sobre um terreno de brancos incêndio (Yer. Shek. 49a, e paralelos; Blau ", Althebräisches Buchwesen", p. 156).

Deus realizou-lo pelo advogado com a criação do mundo, já que foi ela própria sabedoria (Tan., Bereshit, passim), e foi revelação do Deus da primeira, na qual ele participou.

Deu-se na perfeição para todos os tempos e para toda a humanidade, de modo que nenhuma outra revelação pode ser esperado.

Deu-se nas línguas de todos os povos, para a voz da revelação divina foi seventyfold (Weber, lc, pp. 16-20; Blau, "Zur Einleitung no Heilige Schrift morrer", pp. 84-100).

Ela brilha eternamente, e que foi transcrita pelos escribas dos setenta povos (Bacher, "Ag. Tan." Ii. 203, 416), enquanto que tudo encontrado nas Profetas e os Hagiographa já estava contida na Torá (Ta'an. 9a), a fim de que, se os Israelitas não tinham pecado, apenas os cinco livros de Moisés teria sido dada eles (Ned. 22b).

De fato, os profetas e as Hagiographa será revogada, mas a Torá permanecerá eternamente (Yer. Meg. 70d).

Cada letra é de uma criatura viva.

Quando Salomão teve muitas esposas, Deuteronômio atirou-se perante Deus e queixou-se de que Salomão pretendia retirar do Pentateuco o yod da palavra (Deut. xvii. 17), com a qual a proibição da poligamia foi falado, e Deus respondeu: "e Salomão um milhar de como ele deve perecer, mas não uma carta da Torá serão destruídos "(Lev. R. xix.; Yer. Sanh. 20c; Cant. R. 5, 11; comp. Bacher, lc ii. 123, nota 5).

As cartas foram hypostatized único, e ainda estavam ativos na criação do mundo (Bacher, ICM 347), uma idéia que é provavelmente derivado de especulações gnósticas.

O mundo inteiro está para ser apenas 1 / 3200 da Torá ( 'Er. 21a).

Israel recebeu esse tesouro somente através de sofrimento (Ber. 5a, e paralelos), ao livro e à espada veio acompanhado do céu, e Israel viu-se obrigada a escolher entre eles (Sifre, Deut. 40, final; Bacher, lc ii. 402 , Nota 5); e quem se nega a origem divina da Torá vai perder a vida futura (Sanh. x. 1).

Esta elevada estima encontra expressão na regra de que uma cópia do Pentateuco é ilimitada em termos de valor, e na portaria que os habitantes de uma cidade poderiam obrigar a adquirir um outro pergaminhos da Lei (Tosef., BM iii. 24, xi . 23).

A piedosa legou uma cópia da Torá à sinagoga (ib. B. K. Ii. 3), e que era o dever de cada um para fazer um para si próprio, enquanto a honra paga a Bíblia influenciou grandemente a distribuição de cópias e conduziu à fundação de bibliotecas (Blau, "Althebräisches Buchwesen", pp. 84-97).

Estudo da Torá.

Os mais altos ideais de jovens e menos jovens, de pequeno e grande era o estudo do Direito, formando assim uma base para que indomáveis ânsia do povo judeu para a educação e que a insaciável sede de conhecimento, que continuam a caracterizar-los.

"À medida que a criança deve satisfazer a sua fome a cada dia, portanto deve-se ao homem crescido ocupado com a Tora cada hora" (Yer. Ber. Ch. Ix.).

O mishnah (Pe'ah i.) incorporadas na oração diária declara que o estudo do Direito transcende todas as coisas, sendo maior que o salvamento de vidas humanas, além da construção do Templo, e não a honra do pai e da mãe ( Meg. 16b).

Trata-se de mais valor do que a oferta de sacrifício diário ( 'Er. 63oB); um único dia dedicado à Torá supera 1000 sacrifícios (Shab. 30a; comp. Homens. 100a), enquanto a fábula do Peixe e da Fox, em que este último pretende atrair para a antiga terra seca, declara Israel possa viver só na lei como o peixe pode viver só de água no oceano.

Quem separa-se da Torá morre imediatamente ( 'Ab. Zarah 3b); de fogo consome, e ele cai no inferno (BB 79A), enquanto que mais de um Deus chora quem possa ter-se ocupado com ele, mas esqueceu de fazer isso (HAG . 5b).

O estudo deve ser altruísta: "Deve-se estudar a Torá com abnegação, mesmo com o sacrifício da própria vida, e na própria morte uma hora antes deveriam dedicar-se a este dever" (Soṭah 21b; Ber. 63oB; Shab. 83b).

"Quem usa a coroa da Torá serão destruídos" (Ned. 62a).

Todos, inclusive os leprosos e os impuros, eram obrigados a estudar a Lei (Ber. 22a), enquanto ele estava a um dever de cada um de ler toda a aula duas vezes por semana (Ber. 8a), o mais antigo e bênção falado foi a um durante a Torá (ib. 11b).

Profilático potência também é atribuída a ele: dá proteção contra sofrimento (ib. 5a), contra doença ( 'Er. 54b), e contra a opressão no tempo messiânico (Sanh. 98B), para que possa ser dito que "a Torá protege todo o mundo "(Sanh. 99b; comp. Ber. 31a).

As seguintes frases podem ser citados como particularmente elucidativo a este respeito: "A Gentile, que estuda a Torá é tão grande como o sumo sacerdote" (B. K. 38A). "A prática de todas as leis do Pentateuco vale menos do que o estudo das escrituras do it "(Yer. Pe'ah i.), uma refutação conclusiva da visão atual da Nomism da fé judaica. Depois destas citações, torna-se facilmente compreensível que, de acordo com o Talmudic opinião," Deus Ele próprio se senta e estuda a Torah "(" Ab. Zarah 3b).

A crítica da Torá Entre os judeus.

O espírito de crítica naturalmente desenvolvidos a partir desta devoção ao Pentateuco, apesar da fé e reverência.

A própria existência da doutrina que a lei era de origem divina, e que este dogma whosoeverdenied não teve participação na vida do que vir (Sanh. x.), mostra que houve uma escola que assumiu uma atitude crítica em direção a Torá.

Há muitos indícios de prova no presente, mas só aqui a história da crítica no seio da sinagoga ortodoxa serão discutidos.

Foi um ponto discutível se a Lei foi dada todas de uma só vez ou em pequenos rolos em horários diferentes (Giṭ. 60 bis), e da outra questão foi discutida, se Moisés ou Josué escreveu os últimos oito versos do Pentateuco (BB 14b-15a ).

Foi definitivamente afirmado, por outro lado (ib.), que compunham a Moisés secções relativas Balaam (Num. xxii.-xxiv.), Fechando, assim, todas as discussões sobre esse ponto.

Muitos tácita dúvidas são espalhadas através do Talmud e Midrash, para além daqueles que Einstein tenha coletado.

No período pós-Talmudic, nos mesmos moldes, não houve falta de críticos, alguns deles reconhecidos como tal, apenas nos últimos tempos, embora Abraham ibn Ezra, que foi acompanhado por Spinoza, há muito tem sido reconhecida como pertencente a esta classe .

Composição.

A composição da Torá deve ser discutida com base nos conceitos antigos semitas, que planeou um trabalho de literatura praticamente mais do que sistematicamente.

Repetições, portanto, não devem ser eliminados, pois as coisas que são boas e nobres maio e devem ser levados à recordação muitas vezes.

Do ponto de vista do efetivo destaque, além disso, uma mudança de contexto podem desenvolver uma nova e independente aplicação de uma determinada doutrina, sobretudo se se repetir em outras palavras.

Assim tradição (Os Trinta e dois Regras de Eliezer b. Jose ha-Gelili) assume "a reiterada doutrina" como a sua regra de interpretação, e para a esquerda grandes números de repetições (passagens paralelas), em sua coleção de ensinamentos orais.

O quadro do Pentateuco é narrativas históricas ligadas entre si pelo fio de cronologia.

Não existe uma adesão rígida a este último princípio, no entanto, o Talmud em si e em conformidade postulados do Estado: "Não há nenhum mais cedo e mais tarde na Tora" (Pes. 6b et passim). Massorético De um ponto de vista, o Mosaic código contém a história de um período de cerca de 2300 anos.

Como já foi observado em relação aos nomes dos livros individuais, o Talmud e os Masorah divididos em unidades menores do Torah, de acordo com o seu conteúdo, a fim de que Genesis inclui a história da Criação e dos Patriarcas, Êxodo conta da partida do Egito, da revelação, e assim por diante.

Estilo.

O estilo do Pentateuco, em linha com o seu conteúdo, difere consoante a dicção dos profetas e os Salmos.

É menos nobres, embora não seja desprovida de força dramática, e é concreta e não abstracta.

A maior parte das leis são formuladas na segunda pessoa como um endereço direto, o Decálogo sendo o melhor exemplo.

Em certos casos, no entanto, a natureza do assunto exige a terceira pessoa, mas a Torá reverte o mais rapidamente possível para a segunda como sendo a mais eficaz forma de endereço (comp., por exemplo, Deut. Xix. 11-21) .

No Pentateuco, representação temporal é o método usual.

O processo de criação, em vez de o universo como um todo, é descrita, e os leva em conta o mundo visível a funcionar em seis partes principais.

Na criação do homem, das plantas, e do paraíso Deus é visto de trabalho, e ao mesmo processo de estar entrando em maio ser rastreados na Arca de Noé e descrições semelhantes.

Um exemplo notável de palavra-pintura está na conta da consagração de Arão e seus filhos para o alto sacerdócio (Lev. viii.).

Aqui o leitor relógios Moisés enquanto lava os candidatos, eles vestidos, etc ( "Magyar-Zsidó Szemle", ix. 565 e segs.).

Ingênua simplicidade é uma característica da Pentateuchal estilo, que compreende também a arte do silêncio.

Assim, como em todos os produtos de grande mundo-literatura, beleza feminina não está descrito em pormenor, para Sarah, Rachel, e outras heroínas são simplesmente dizer-se que é bonito, ao passo que a conclusão da foto é deixado à imaginação do leitor.

As leis da Torá.

O conteúdo da Torá dividem-se em duas partes principais: histórico e jurídico.

Esta última iniciada com a Ex.

xii.; para que o Tannaim sustentou que a lei começou há efectivamente, sobre o processo correto princípio de que a palavra "Torah" poderia ser aplicado apenas aos ensinamentos que regulava a vida do homem, quer conduzindo-o para realizar certos actos (comandos =) ou restringindo-lo a partir deles (proibições =).

O Talmud enumera um total de 613 normas, sendo 248 comandos e 365 proibições (ver judeu. Encyc. Iv. 181, sv Mandamentos, A 613).

No período pós-Talmudic muitas obras foram escritas sobre esses 613 "miẓwot," alguns, inclusive, por Maimonides.

As partes do Pentateuco legais incluem todas as relações da vida humana, embora estes sejam discutidos com maior detalhe no Talmud (ver Talmudic Laws).

A Torá reconhece nenhuma das subdivisões mandamentos; são iguais para todas as ordenanças de Deus, e uma distinção pode ser estabelecida somente de acordo com idéias modernas, como quando Driver (em Hastings, "Dict. Bíblia," iii. 66) propõe uma tripla divisão, em jurídica, cerimonial e moral "torot."

Direito Penal.

Montefiore foi correto quando, em que a ênfase no aspecto ético do conceito bíblico de Deus, ele declarou que até mesmo o direito de a Bíblia foi permeado pela moralidade, propounding sua opinião, nos seguintes termos ( "Hibbert Palestras", p. 64) : "A maior característica original e foi a influência moral do Jahveh no domínio do Direito. Jahveh, para o Tribos de Israel, foi enfaticamente o Deus da direita.... Desde os primeiros tempos em diante, Jahveh do santuário foi a depositária da lei, e Sua voz era o sacerdote. "

A mais proeminente característica do Pentateuchal lei, em comparação com as legislações dos povos antigos e medievais da Europa, é suavidade, um recurso que ainda é desenvolvida no Talmud.

A Torah é justamente considerada como fonte do direito humanitário.

Embora ocorram tais frases como "que a alma será cortada de seu povo" ou "tu deverás tão longe de colocar o mal no meio de ti", que seria incorrecto a tomá-los literalmente, ou para deduzir a partir deles certas teorias da penal lei, como fez recentemente Förster.

Pelo contrário, estas manifestações provam que o Mosaiclaw não era um código legal no sentido estrito do termo, mas sim um trabalho ético.

Embora o Talmudists tornou um código penal, em caráter instintivamente leitura que ele, a lei penal da Torá é algo teórico que nunca foi posto em prática.

Esta opinião é corroborada pelo fato de que um mandamento é afirmado, por vezes sem a ameaça de qualquer penalidade para qualquer que seja a sua violação e, às vezes até mesmo com a cessão da morte como um castigo por sua transgressão.

Nos mesmos moldes, uma tradição tão freqüentemente substitutos frase como "ele perdido a vida dele" para "transgressão digna de morte."

Direito Civil.

Por outro lado, o direito civil da Torá, o que é mais desenvolvido e tem um carácter prático, talvez mais estreitamente com os acordos judaicas antigo procedimento legal.

Ele reflete as condições de um estado agrícola, uma vez que a maioria das leis dizem respeito às questões agrícolas e aparentadas.

Não houve palavra hebraica para "guardar", embora "apenas medida" foi mencionado.

É preciso ter em mente, porém, que para satisfazer as mais avançadas condições de vezes mais tarde, ambas as Talmudists completou o Mosaic lei e por meio de analogia eo interpolada similar em sua Tora expedientes muito que ele não continha originalmente.

Desde os primeiros tempos da Sinagoga tem proclamado a origem divina do Pentateuco, e já declarou que Moisés escreveu ele desceu do ditado, enquanto as religiões baseada no judaísmo têm até muito recentemente na posse da mesma opinião.

Crítica bíblica, contudo, nega a autoria do Mosaico e atribui apenas uma porção de diverso grau de uma origem tão antiga.

A história da crítica em relação a este ponto é dado por Winer ( "BR" ii. 419 e segs.) E pelo Driver (em Hastings, "Dict. Bíblia," iii. 66), enquanto Montefiore exprime-se da seguinte forma (lc ): "A Torá-ou-pedagógico dos sacerdotes, metade judicial, metade pædagogic, foi uma profunda influência moral, e não havia qualquer elemento no qual era a religião de uma só vez mais genuinamente hebraico e mais estreitamente identificado com o deus nacional. Aí É uma boa razão para acreditar que esta é a Torá sacerdotal uma instituição religiosa que pode ser corretamente atribuída a Moisés.... Ainda que Moisés não foi o autor da lei escrita, ele foi, sem dúvida que o fundador do ensino oral, ou Tora, que precedeu e se tornou a base dos códigos do Pentateuco. "As partes legais da Torá são encontrados em Ex.

XX-xxiii., xxv.-xxxi., xxxiv.-xxxv.; Lev.

i.-viii., XI.-xxv., xxvii.; Num.. v.-x., xviii., xix., xxvii.-xxx., estas leis sejam repetidos em Deut. iv.

e segs.

Joseph Jacobs, Ludwig Blau


Enciclopédia Judaica, publicada entre 1901-1906.

Bibliografia:


Bacher, Ag.

Tan.; Idem, Ag.

Pal. Amor. Índice, sv Tora e Studium der Lehre; Baumgartner, Les Etudes Isagogiques chez les Juifs, Genebra, 1886; Blau, Zur Einleitung morrer no Heilige Schrift, Strasburg, 1894; idem, zum Althebräischen Buchwesen und Studien zur Biblischen Litteraturgeschichte, Strasburg, 1902; Buchler, A Trienal Leitura da Lei e Profetas, em JQR vi.

1-73; Eisenstadt, ueber Bibelkritik in der Talmudischen Litteratur, Frankfort-on-the-Main, 1894; Förster, Das Mosaische Strafrecht em Cercador Geschichtlichen Entwickelung, Leipsic, 1900; Hamburger, RBT complementar vol.

iii. 60-75; Hastings, Dict.

Bíblia, iii.

64-73; judeu.

Encyc. vii. 633-638; Michaelis-Saalschütz, Mosaisches Recht, Berlin, 1842-46; Herzog-HAUCK, Real-Encyc.

xiii. 486-502; Weber, Jüdische Théologie, pp.

14-34, e Index, Leipsic, 1897; Winer, BR 3d ed., I.

415-422.

Para a críticas da Torá comparar os livros-texto da história do judaísmo e do Antigo Testamento Teologia.

Veja também Pentateuco.

Torá

Informação Católica

I. uso da palavra

Torá, (cf. Hiph. De), significa primeiramente "direção, instrução", como, por exemplo, a instrução dos pais (Provérbios 1:8), ou do sábio (Provérbios 3:1).

Ele é usado principalmente em referência ao Divino instrução, especialmente através da revelação de Moisés, a "Lei", e para o ensino dos profetas relativo à vontade de Deus.

No sentido da lei "Torah" se refere apenas à lei divina.

"Torah" é aplicado aos livros que contenham o ensino da revelação eo MOSAICO a Lei, ou seja, o Pentateuco.

Na teologia judaica Torá significa, em primeiro lugar, a totalidade da doutrina judaica, se tomado como base para o conhecimento religioso e de conduta, ou como base para o estudo.

O corpo de textos bíblicos, sobretudo o Pentateuco, sendo a fonte de ensino religioso e de direito, o termo "Torah" é igualmente aplicado a toda a Escrituras (cf. Blau, "Zur Einleitung morrem em hectolitros. Schrift", Budapeste, 1894, 16 sq), ou a partir de passagens para os profetas e as Hagiographa, por exemplo, "Ab. Zara", 17a, em referência à Prov., V, 8, e "Sanh."

91b, em ligação com Ps.

LXXXIV, 5.

A expressão, no entanto, generlly significa o Pentateuco.

Nas passagens semelhantes ( "as Escrituras [Torá] composto por três partes, Torah, Profetas, e Hagiographa" [Midrash Tanchuma a Ex., Xix, 1]) "Torah" é usado em dois sentidos, um general, de todo o significado Escrituras , O outro especial, significando o Pentateuco.

Elsewhere (Siphre a 32, 13-135b 24) está a Torá claramente distinto do da não-Pentateuchal livros pela comparação dos miqra () e Tora.

Além da "escrita" Torah,, o judaísmo, que detém a tradição fala de uma "oral" Torah,, os comentários e as portarias que ponha em prática as leis contidas no Pentateuco.

Esta Torá oral, que é reivindicado, foi revelada a Moisés e foi preservada em Israel por tradição (ver Talmud.)

II. TORAH no sentido restrito do Pentateuco

A Torá diz respeito a acções preparatórias para o estabelecimento e do Antigo Testamento-teocracia, e contém as instituições e as leis em que esta teocracia encontrou sua expressão visível.

O velho testamento em si inteira exorta o trabalho após o seu conteúdo principal (ha) tora ou Sefer (), ha-tora, ou seja, "o livro da Tora", como na II Esd.

viii, 2; para enfatizar a sua origem que Divino é chamado torath Yahwe, Sefer torath Yahwe (Esdras 7:10; 1 Crônicas 16:40; Neemias 8:8), e Sefer torath Yahwe Elohim (II Esd. ix, 3); enquanto Sefer torath Moshe (Neemias 8:1), Sefer Moshe (Esdras 6:18; Neemias 13:1; 2 Crônicas 25:4; 35:12) indicar o seu autor.

O Talmud e mais tarde escritos judaicos chamar o Pentateuco Sefer (ha) tora, o nome é ser utilizado se a totalidade do trabalho foi escrita como um scroll (megilla) para uso no serviço divino.

Se o trabalho for escrito em pergaminhos cinco ou forma de livros é chamado hamisha humeshe (ha) tora (), "o prazo de cinco quintos da lei".

Esta divisão em cinco partes é antiga, e no tempo de Nehemias serviu de modelo para a divisão do Saltério em cinco livros.

Os judeus geralmente chamado de livros individuais após a primeira palavra: (1) bereshith,; (2) shemath ou nós shemoth-elle, ou; (3) wayyiqra,; (4) bemidbar ou wayyedabber,,; (5) ou debarim elle-ha-debarim, (cf. tão cedo como um escritor Orígenes sobre Ps. 1: Bresith, O-ualesmoth, O-uikra,-Elle 'addebarim).

Há também nomes que indicam o conteúdo dos principais livros de concedida Levítico, Números e Deuteronômio: Torá kohanim,, "lei dos sacerdotes", por exemplo, em "Meg.", Iii, 6; homesh ha-piqqudim,, " o quinto da numeração ", como em" Yoma ", vii, 1, mishne tora (), ou seja, Deuteronômio, como em Masorah para Deut., xvii, 18.

Por outro lado Sefer yeçira,, "livro da Criação", em Sanh., 62b, e neziqin,, "lesões", Masorah de Gênesis 24:8, não estão a ser aplicadas, como é feito muitas vezes, para Gênesis e Êxodo, elas referem-se apenas à conta de e para a Criação Êxodo 21:22.

Outro método de divisão é aquele pelo qual os pontos, ou parashiyyoth (, cantar.), São indicados no pergaminhos da Torá usados nas sinagogas.

Nos mais velhos Midrashim estas divisões são chamados parashiyyoth pethuhoth,, "parashiyyoth aberta", ou parashiyyoth sethumoth,, "parashiyyoth fechado".

No primeiro, o trecho da linha após a última palavra é deixada em branco; nesse último a rescisão do parágrafo é indicado por deixar apenas uma parte da linha em branco.

Esses pontos são chamados de "pequenos parashiyyoth" e eles geralmente são indicados no impresso edições da Bíblia nem por.

O Pentateuco tem no total 290 abertos e 379 fechados parashiyyoth.

Ao citar estes são geralmente chamados após principais equipamentos (como Baba bathra 14a: ou seja, Números 22:2-24:25), mas algumas vezes após as primeiras palavras (como Ta'anith iv, 3, a primeira de seis Genesis parashiyyoth) .

O parashiyyoth são consideradas como a disposição das divisões do Pentateuco, de acordo com conteúdos, mas a base da distinção entre abertas e fechadas parashiyyoth não é conhecido com certeza. Outra divisão da Torá está relacionada com a leitura das lições lido na sinagoga no sábado, uma prática referida em Atos, xv, 21,-ek geneôn-archaíon como sendo antiga (cf. também Josephus, "Contra Apion.", II, xvii).

Era habitual na Palestina três anos para ter um 'ciclo destas aulas (Meg., 29b); alguns escritores dizem que houve também um ciclo de três anos e meio.

O Pentateuco, portanto, foi dividido em secções 154-175 ou sedarim (, cantar.). Estes sedarim entanto Biblias não indicadas no nosso, são importantes para compreender a estrutura da velha Midrashim (cf. Buchler, "A leitura da Lei Profetas e em um ciclo trienal ", em" judeu. Quart. Rev. ", V, 420 sqq., VI, 1 sqq., VIII, 528 sq).

Com o decorrer do tempo um ciclo anual, qual a primeira adquiriu autoridade babilônico entre os judeus, e é agora aceite por quase todas as comunidades judaicas, foi aprovada.

Maimonides (Hilhoth Tephilla, XIII, 1) chama-lhe o costume predominante de sua época (século XII), mas diz que alguns ler o Pentateuco em três anos, que, de acordo com Benjamin de Tudela, foi a prática entre os cerca de 1170 comunidades espalhadas em Egito (cf. judeu. Quart. Rev., V, 420).

Neste ano de um ciclo do Pentateuco é dividida em cinqüenta e quatro aulas geralmente chamados grandes sábado parashiyyoth.

Um judeu intercalado ano constituído por treze meses lunares contém cinqüenta e três sábados, e no final semper seção é lido no dia da "alegria do Direito" (), ou seja, no nono dia após a festa de cabinas (vinte e terceiro dia de Tishri).

Em anos normais, quando há quarenta e sete sábados, são dois parashiyyoth aderiram em cada um dos sete sábados, a fim de completar o número.

Em Gênesis, há doze parashiyyoth sábado, em onze Êxodo, Levítico e Números em cada dez, onze e em Deuteronômio.

Eles têm o nome de e citados pela primeira palavra.

Nas edições impressas da Bíblia eles são indicados, pois são também as primeiras palavras do parashiyyoth aberto ou fechado, ou até, com exceção da décima segunda lição, no início dos quais (Gênesis 47:28) apenas a largura de um carta deverá permanecer em branco.

Referente à distribuição dos cinquenta e quatro parashiyyoth para o ano, cf.

Loeb, "Apocalipse des études juives", VI, 250 sqq.; Derenbourg, ibid., VII, 146 sqq.; Schmid, "Überverschiedene Einteilungen der hl. Schrift" (Graz, 1892), 4 sqq.

A antiga Sinagoga e manter firmemente o Talmud o Mosaic autoria da Torá, mas estão entretidos dúvidas quanto a uma série de passagens.

Em "Baba bathra" 15e apenas os oito últimos versículos do Deuteronómio, que fala da morte e sepultamento de Moisés, têm atribuído a outro autor.

Por outro lado Simeão (loc. cit.) Ensina, referindo-se a Deut., Xxxi, 26, que estes versos foram escritos por Moisés também sob direção divina (cf. também Josephus, "Antiq Jud.", IV, VIII, 48 ).

Durante a Idade Média foram exprerssed dúvidas quanto à possibilidade de Moisés escrever certas frases, por exemplo, pelo rabino Yishaq (Gênesis de 36:11), que se opunha por Aben Ezra, e bem como pela Aben Ezra si próprio (a Genesis 12:6 ; Êxodo 25:4; Deuteronômio 1:1; 31:22).

Tomado por completo, mesmo no período sucederam a crença na Mosaic autoria permaneceu incontestada, pelo menos pelo judeus ortodoxos.

Que possuem, além disso, a origem divina de toda a Torá, eo oitavo dos treze artigos de fé formulada pela Maimonides e incorporada na oração-livro diz: "Eu acredito que com plena confiança de que toda a Torá como ela está em nossas mãos é o que foi dado ao nosso professor Moisés, a quem é paz ".

(Veja Pentateuco.)

Publicação informações escritas por F. Schühlein.

Transcritas pela WGKofron.

Em memória do Padre.

John Hilkert, Akron, Ohio - Fidélis Servus et prudens, quem constituit Dominus super familiam suam. A Enciclopédia Católica, Volume XIV.

Publicado 1912.

New York: Robert Appleton Company.

Nihil obstat, 1 de julho de 1912.

Remy Lafort, STD, Censor.

Imprimatur. + Cardeal John Farley, Arcebispo de Nova York

Torá

Judaica perspectiva informação

ARTIGO DESCRITORES:

Nome.

Quinário Divisão da Torá.

Divisão em secções.

Tradição Judaica e da Torá.

Preexistência da Torá.

Estudo da Torá.

A crítica da Torá Entre os judeus.

Composição.

Estilo.

As leis da Torá.

Direito Penal.

Direito Civil.

Nome aplicado aos cinco livros de Moisés, Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.

O conteúdo da Torá como um todo são discutidos, a partir do ponto de vista da moderna crítica bíblica, ao abrigo do Pentateuco, onde um quadro dá a diversas fontes, embora a sua importância como centro de cristalização para o cânone hebraico bíblico é tratada a Canon.

O presente artigo, portanto, limita-se à história do Pentateuco na pós-bíblica Judaísmo. A Torah recebe o seu título a partir de seu conteúdo, a própria denominação connoting "doutrina".

O Hellenistic judeus, no entanto, traduzido por ele νόμος = "lei" (por exemplo, LXX., Prólogo para Ecclus. [Sirach], Philo, Josephus, e do Novo Testamento), de onde veio o termo "direito-book", este deu lugar à ideia errada de que a religião judaica é puramente nomistic, para que ele ainda é frequentemente designado como a religião da lei.

Na realidade, porém, contém ensinamentos da Tora, bem como leis, mesmo tendo a última sido dada em forma ética e das narrativas históricas contidas em um caráter ético.

Nome.

Nos livros da Bíblia os seguintes nomes do Pentateuco ocorrer: na II Chron.

xvii. 9, Neemias.

ix. 3, e, com o epíteto acrescentado, II Chron.

xxxiv. 14; enquanto sozinha, sem, é encontrada em II Reis x.

31, I Chron.

xxii. 11, II e Chron.

xii. 1, xxxi.

3, 4, e xxxv.

26. Às vezes, nem uma palavra de significado semelhante, é acrescentado, como, Josh.

xxiv. 26 de Neemias.

viii. 18 (sem, ib. X. 29).

Outra designação é, Josh.

viii. 31, xxiii.

6; II Reis xiv.

6; Neemias. Viii.

1; ou, ii I Reis.

3; II Reis xxiii.

25; Mal.

iii. 22 (iv AV. 4), com a adição de; Ezra iii.

2 (com a adição de), vii.

6;, II Chron.

xxv. 4 (precedido por), xxxv.

12. É sem dúvida o mais antigo nome (Deut. i. 5; xxxi. 9, 11, 24; xxxii. 46; Neemias. Viii. 2), às vezes abreviada (Deut. i. 5; xxxi. 9, 11, 24; xxxii . 46; Neemias. Viii. 2), ou a (viii Neh.. 5), ou a (Deut. xxxiii. 4).

Os dois últimos nomes ocorrem com muita freqüência na tradição judaica, onde a Torá se torna uma criatura viva.

A expressão "os cinco livros", que é a origem da expressão "Pentateuco", ocorre apenas na tradição judaica, que também foi a fonte para "Genesis", etc, como os nomes dos livros do Pentateuco (cf. Blau, "Zur Einleitung no Heilige Schrift morrer", pp. 40-43).

Quinário Divisão da Torá.

De acordo com todos os críticos, independentemente da escola a que pertencem, a Torá faz uma única obra, que é representado, mesmo com os dias atuais, pelo synagogal Escolha da lei; história também não conheço nenhuma outra Torah scroll.

Os cinco vezes cisão do Pentateuco foi meramente devido a causas externas, e não a uma diversidade de conteúdo; em volume para a Tora faz mais de um quarto de todos os livros da Bíblia, e contém, em números redondos, as cartas de 300000 1100000, em toda a Bíblia.

Um trabalho de longe ultrapassada essa bússola o tamanho normal de um indivíduo se deslocar entre os judeus, e consequentemente a Torá se tornou um Pentateuco, sendo, portanto, análogo ao homérico poemas, que originalmente formaram um único épico, mas que foram, posteriormente, dividida em vinte e quatro peças cada um.

Divisão em secções.

Tal como eles, por outro lado, o Pentateuco foi dividido de acordo com o sentimento e com um excelente conhecimento do assunto (Blau, "Althebräisches Buchwesen", pp. 47-49), enquanto que também foram feitas em subdivisões do chamado aberto e fechado " parashiyyot ", cuja interrelação exata ainda não está clara.

Lá estão em todas as seções 669, 290 abertos e 379 fechados.

Outra classe de parashiyyot divide as aulas por semana, agora chamado "sidrot," em sete partes.

A Tora recai igualmente, com base nos ensinamentos para o sábado, em 54 sidrot acordo com o ciclo anual, e em 155 para o segundo ciclo trienal.

A antiga divisão, que agora é utilizado quase universalmente, é a Babilónia, e esta última, que foi recentemente introduzido em algumas congregações Reforma, é o palestino. A última classe de sidrot, no entanto, não tem nenhuma marca externa de divisão na rola da sinagoga, enquanto que as divisões no antigo, como o parashiyyot, são indicados por espaços em branco de comprimento variável (ver Sidra).

Isso provavelmente significa uma maior antiguidade para as seções que são assim designados, embora as divisões em 5845 versos, que parecem ser ainda mais antigas, não têm marcas ida.

O sistema dos capítulos foi introduzida no edições da Bíblia hebraica, e, consequentemente, para a Torá, a partir da Vulgata.

Este modo de divisão não é conhecido da Masorah, porém, foi incorporado no final Massorético notas, para cada um dos livros do Pentateuco.

É dado em hebraico moderno edições da Bíblia simplesmente com base nas edições estereotipada do Inglês Bible Society, que se seguiu exemplos anteriores.

Tradição Judaica e da Torá.

A forma externa da Torá é discutido em artigos tais como manuscritos, marque da lei, e Manto da lei; mas tão numerosas são as afirmações relativas à sua tradição de conteúdo e seu valor, mesmo que a repetição de uma parte muito pequena deles seriam muito superiores aos limites deste artigo.

Cada página do Talmud e Midrash está repleta de citações do Pentateuco e com o mais afetado do que elogios, unidos com super-humana e amor divino respeito dessa situação.

Nos cinco volumes de Bacher sobre o trabalho da Haggadah, o seu estudo Tora e de uma forma especial de cada theaccount na rúbrica "SOFER", ou estudioso do Direito.

Com toda a probabilidade nunca lá foi outra gente, excepto talvez o Brahmans, que rodeou o seu santo escritos com tal propósito, transmitir-lhes, ao longo dos séculos com essa auto-sacrifício, e preservou-los com tão pouca variação para mais de 2000 anos.

As letras muito da Torá foram Suspeitos de ter vindo de Deus (BB 15a), e foram contadas com atenção, a palavra "soferim" denota, de acordo com o Talmud (Ḳid. 30a), "os contadores das letras."

Uma classe especial de estudiosos dedicou toda sua vida para o cuidado da preservação do texto ( "Masorah"), a analogia único na literatura do mundo a ser encontrado na Índia, onde os Vedas foram rigorosamente preservada por meios semelhantes.

Preexistência da Torá.

A Torah é mais velho que o mundo, para que existisse quer 947 gerações (Zeb. 116a, e paralelos), ou 2000 anos (Gen. R. viii., E paralelos; Weber, "Jüdische Théologie", p. 15) antes da Criação .

O Pentateuco original, portanto, como tudo celeste, constou de fogo, sendo escrito em letras negras da chama sobre um terreno de brancos incêndio (Yer. Shek. 49a, e paralelos; Blau ", Althebräisches Buchwesen", p. 156).

Deus realizou-lo pelo advogado com a criação do mundo, já que foi ela própria sabedoria (Tan., Bereshit, passim), e foi revelação do Deus da primeira, na qual ele participou.

Deu-se na perfeição para todos os tempos e para toda a humanidade, de modo que nenhuma outra revelação pode ser esperado.

Deu-se nas línguas de todos os povos, para a voz da revelação divina foi seventyfold (Weber, lc, pp. 16-20; Blau, "Zur Einleitung no Heilige Schrift morrer", pp. 84-100).

Ela brilha eternamente, e que foi transcrita pelos escribas dos setenta povos (Bacher, "Ag. Tan." Ii. 203, 416), enquanto que tudo encontrado nas Profetas e os Hagiographa já estava contida na Torá (Ta'an. 9a), a fim de que, se os Israelitas não tinham pecado, apenas os cinco livros de Moisés teria sido dada eles (Ned. 22b).

De fato, os profetas e as Hagiographa será revogada, mas a Torá permanecerá eternamente (Yer. Meg. 70d).

Cada letra é de uma criatura viva.

Quando Salomão teve muitas esposas, Deuteronômio atirou-se perante Deus e queixou-se de que Salomão pretendia retirar do Pentateuco o yod da palavra (Deut. xvii. 17), com a qual a proibição da poligamia foi falado, e Deus respondeu: "e Salomão um milhar de como ele deve perecer, mas não uma carta da Torá serão destruídos "(Lev. R. xix.; Yer. Sanh. 20c; Cant. R. 5, 11; comp. Bacher, lc ii. 123, nota 5).

As cartas foram hypostatized único, e ainda estavam ativos na criação do mundo (Bacher, ICM 347), uma idéia que é provavelmente derivado de especulações gnósticas.

O mundo inteiro está para ser apenas 1 / 3200 da Torá ( 'Er. 21a).

Israel recebeu esse tesouro somente através de sofrimento (Ber. 5a, e paralelos), ao livro e à espada veio acompanhado do céu, e Israel viu-se obrigada a escolher entre eles (Sifre, Deut. 40, final; Bacher, lc ii. 402 , Nota 5); e quem se nega a origem divina da Torá vai perder a vida futura (Sanh. x. 1).

Esta elevada estima encontra expressão na regra de que uma cópia do Pentateuco é ilimitada em termos de valor, e na portaria que os habitantes de uma cidade poderiam obrigar a adquirir um outro pergaminhos da Lei (Tosef., BM iii. 24, xi . 23).

A piedosa legou uma cópia da Torá à sinagoga (ib. B. K. Ii. 3), e que era o dever de cada um para fazer um para si próprio, enquanto a honra paga a Bíblia influenciou grandemente a distribuição de cópias e conduziu à fundação de bibliotecas (Blau, "Althebräisches Buchwesen", pp. 84-97).

Estudo da Torá.

Os mais altos ideais de jovens e menos jovens, de pequeno e grande era o estudo do Direito, formando assim uma base para que indomáveis ânsia do povo judeu para a educação e que a insaciável sede de conhecimento, que continuam a caracterizar-los.

"À medida que a criança deve satisfazer a sua fome a cada dia, portanto deve-se ao homem crescido ocupado com a Tora cada hora" (Yer. Ber. Ch. Ix.).

O mishnah (Pe'ah i.) incorporadas na oração diária declara que o estudo do Direito transcende todas as coisas, sendo maior que o salvamento de vidas humanas, além da construção do Templo, e não a honra do pai e da mãe ( Meg. 16b).

Trata-se de mais valor do que a oferta de sacrifício diário ( 'Er. 63oB); um único dia dedicado à Torá supera 1000 sacrifícios (Shab. 30a; comp. Homens. 100a), enquanto a fábula do Peixe e da Fox, em que este último pretende atrair para a antiga terra seca, declara Israel possa viver só na lei como o peixe pode viver só de água no oceano.

Quem separa-se da Torá morre imediatamente ( 'Ab. Zarah 3b); de fogo consome, e ele cai no inferno (BB 79A), enquanto que mais de um Deus chora quem possa ter-se ocupado com ele, mas esqueceu de fazer isso (HAG . 5b).

O estudo deve ser altruísta: "Deve-se estudar a Torá com abnegação, mesmo com o sacrifício da própria vida, e na própria morte uma hora antes deveriam dedicar-se a este dever" (Soṭah 21b; Ber. 63oB; Shab. 83b).

"Quem usa a coroa da Torá serão destruídos" (Ned. 62a).

Todos, inclusive os leprosos e os impuros, eram obrigados a estudar a Lei (Ber. 22a), enquanto ele estava a um dever de cada um de ler toda a aula duas vezes por semana (Ber. 8a), o mais antigo e bênção falado foi a um durante a Torá (ib. 11b).

Profilático potência também é atribuída a ele: dá proteção contra sofrimento (ib. 5a), contra doença ( 'Er. 54b), e contra a opressão no tempo messiânico (Sanh. 98B), para que possa ser dito que "a Torá protege todo o mundo "(Sanh. 99b; comp. Ber. 31a).

As seguintes frases podem ser citados como particularmente elucidativo a este respeito: "A Gentile, que estuda a Torá é tão grande como o sumo sacerdote" (B. K. 38A). "A prática de todas as leis do Pentateuco vale menos do que o estudo das escrituras do it "(Yer. Pe'ah i.), uma refutação conclusiva da visão atual da Nomism da fé judaica. Depois destas citações, torna-se facilmente compreensível que, de acordo com o Talmudic opinião," Deus Ele próprio se senta e estuda a Torah "(" Ab. Zarah 3b).

A crítica da Torá Entre os judeus.

O espírito de crítica naturalmente desenvolvidos a partir desta devoção ao Pentateuco, apesar da fé e reverência.

A própria existência da doutrina que a lei era de origem divina, e que este dogma whosoeverdenied não teve participação na vida do que vir (Sanh. x.), mostra que houve uma escola que assumiu uma atitude crítica em direção a Torá.

Há muitos indícios de prova no presente, mas só aqui a história da crítica no seio da sinagoga ortodoxa serão discutidos.

Foi um ponto discutível se a Lei foi dada todas de uma só vez ou em pequenos rolos em horários diferentes (Giṭ. 60 bis), e da outra questão foi discutida, se Moisés ou Josué escreveu os últimos oito versos do Pentateuco (BB 14b-15a ).

Foi definitivamente afirmado, por outro lado (ib.), que compunham a Moisés secções relativas Balaam (Num. xxii.-xxiv.), Fechando, assim, todas as discussões sobre esse ponto.

Muitos tácita dúvidas são espalhadas através do Talmud e Midrash, para além daqueles que Einstein tenha coletado.

No período pós-Talmudic, nos mesmos moldes, não houve falta de críticos, alguns deles reconhecidos como tal, apenas nos últimos tempos, embora Abraham ibn Ezra, que foi acompanhado por Spinoza, há muito tem sido reconhecida como pertencente a esta classe .

Composição.

A composição da Torá deve ser discutida com base nos conceitos antigos semitas, que planeou um trabalho de literatura praticamente mais do que sistematicamente.

Repetições, portanto, não devem ser eliminados, pois as coisas que são boas e nobres maio e devem ser levados à recordação muitas vezes.

Do ponto de vista do efetivo destaque, além disso, uma mudança de contexto podem desenvolver uma nova e independente aplicação de uma determinada doutrina, sobretudo se se repetir em outras palavras.

Assim tradição (Os Trinta e dois Regras de Eliezer b. Jose ha-Gelili) assume "a reiterada doutrina" como a sua regra de interpretação, e para a esquerda grandes números de repetições (passagens paralelas), em sua coleção de ensinamentos orais.

O quadro do Pentateuco é narrativas históricas ligadas entre si pelo fio de cronologia.

Não existe uma adesão rígida a este último princípio, no entanto, o Talmud em si e em conformidade postulados do Estado: "Não há nenhum mais cedo e mais tarde na Tora" (Pes. 6b et passim). Massorético De um ponto de vista, o Mosaic código contém a história de um período de cerca de 2300 anos.

Como já foi observado em relação aos nomes dos livros individuais, o Talmud e os Masorah divididos em unidades menores do Torah, de acordo com o seu conteúdo, a fim de que Genesis inclui a história da Criação e dos Patriarcas, Êxodo conta da partida do Egito, da revelação, e assim por diante.

Estilo.

O estilo do Pentateuco, em linha com o seu conteúdo, difere consoante a dicção dos profetas e os Salmos.

É menos nobres, embora não seja desprovida de força dramática, e é concreta e não abstracta.

A maior parte das leis são formuladas na segunda pessoa como um endereço direto, o Decálogo sendo o melhor exemplo.

Em certos casos, no entanto, a natureza do assunto exige a terceira pessoa, mas a Torá reverte o mais rapidamente possível para a segunda como sendo a mais eficaz forma de endereço (comp., por exemplo, Deut. Xix. 11-21) .

No Pentateuco, representação temporal é o método usual.

O processo de criação, em vez de o universo como um todo, é descrita, e os leva em conta o mundo visível a funcionar em seis partes principais.

Na criação do homem, das plantas, e do paraíso Deus é visto de trabalho, e ao mesmo processo de estar entrando em maio ser rastreados na Arca de Noé e descrições semelhantes.

Um exemplo notável de palavra-pintura está na conta da consagração de Arão e seus filhos para o alto sacerdócio (Lev. viii.).

Aqui o leitor relógios Moisés enquanto lava os candidatos, eles vestidos, etc ( "Magyar-Zsidó Szemle", ix. 565 e segs.).

Ingênua simplicidade é uma característica da Pentateuchal estilo, que compreende também a arte do silêncio.

Assim, como em todos os produtos de grande mundo-literatura, beleza feminina não está descrito em pormenor, para Sarah, Rachel, e outras heroínas são simplesmente dizer-se que é bonito, ao passo que a conclusão da foto é deixado à imaginação do leitor.

As leis da Torá.

O conteúdo da Torá dividem-se em duas partes principais: histórico e jurídico.

Esta última iniciada com a Ex.

xii.; para que o Tannaim sustentou que a lei começou há efectivamente, sobre o processo correto princípio de que a palavra "Torah" poderia ser aplicado apenas aos ensinamentos que regulava a vida do homem, quer conduzindo-o para realizar certos actos (comandos =) ou restringindo-lo a partir deles (proibições =).

O Talmud enumera um total de 613 normas, sendo 248 comandos e 365 proibições (ver judeu. Encyc. Iv. 181, sv Mandamentos, A 613).

No período pós-Talmudic muitas obras foram escritas sobre esses 613 "miẓwot," alguns, inclusive, por Maimonides.

As partes do Pentateuco legais incluem todas as relações da vida humana, embora estes sejam discutidos com maior detalhe no Talmud (ver Talmudic Laws).

A Torá reconhece nenhuma das subdivisões mandamentos; são iguais para todas as ordenanças de Deus, e uma distinção pode ser estabelecida somente de acordo com idéias modernas, como quando Driver (em Hastings, "Dict. Bíblia," iii. 66) propõe uma tripla divisão, em jurídica, cerimonial e moral "torot."

Direito Penal.

Montefiore foi correto quando, em que a ênfase no aspecto ético do conceito bíblico de Deus, ele declarou que até mesmo o direito de a Bíblia foi permeado pela moralidade, propounding sua opinião, nos seguintes termos ( "Hibbert Palestras", p. 64) : "A maior característica original e foi a influência moral do Jahveh no domínio do Direito. Jahveh, para o Tribos de Israel, foi enfaticamente o Deus da direita.... Desde os primeiros tempos em diante, Jahveh do santuário foi a depositária da lei, e Sua voz era o sacerdote. "

A mais proeminente característica do Pentateuchal lei, em comparação com as legislações dos povos antigos e medievais da Europa, é suavidade, um recurso que ainda é desenvolvida no Talmud.

A Torah é justamente considerada como fonte do direito humanitário.

Embora ocorram tais frases como "que a alma será cortada de seu povo" ou "tu deverás tão longe de colocar o mal no meio de ti", que seria incorrecto a tomá-los literalmente, ou para deduzir a partir deles certas teorias da penal lei, como fez recentemente Förster.

Pelo contrário, estas manifestações provam que o Mosaiclaw não era um código legal no sentido estrito do termo, mas sim um trabalho ético.

Embora o Talmudists tornou um código penal, em caráter instintivamente leitura que ele, a lei penal da Torá é algo teórico que nunca foi posto em prática.

Esta opinião é corroborada pelo fato de que um mandamento é afirmado, por vezes sem a ameaça de qualquer penalidade para qualquer que seja a sua violação e, às vezes até mesmo com a cessão da morte como um castigo por sua transgressão.

Nos mesmos moldes, uma tradição tão freqüentemente substitutos frase como "ele perdido a vida dele" para "transgressão digna de morte."

Direito Civil.

Por outro lado, o direito civil da Torá, o que é mais desenvolvido e tem um carácter prático, talvez mais estreitamente com os acordos judaicas antigo procedimento legal.

Ele reflete as condições de um estado agrícola, uma vez que a maioria das leis dizem respeito às questões agrícolas e aparentadas.

Não houve palavra hebraica para "guardar", embora "apenas medida" foi mencionado.

É preciso ter em mente, porém, que para satisfazer as mais avançadas condições de vezes mais tarde, ambas as Talmudists completou o Mosaic lei e por meio de analogia eo interpolada similar em sua Tora expedientes muito que ele não continha originalmente.

Desde os primeiros tempos da Sinagoga tem proclamado a origem divina do Pentateuco, e já declarou que Moisés escreveu ele desceu do ditado, enquanto as religiões baseada no judaísmo têm até muito recentemente na posse da mesma opinião.

Crítica bíblica, contudo, nega a autoria do Mosaico e atribui apenas uma porção de diverso grau de uma origem tão antiga.

A história da crítica em relação a este ponto é dado por Winer ( "BR" ii. 419 e segs.) E pelo Driver (em Hastings, "Dict. Bíblia," iii. 66), enquanto Montefiore exprime-se da seguinte forma (lc ):

"A Torá-ou-pedagógico dos sacerdotes, metade judicial, metade pædagogic, foi uma profunda influência moral, e não havia qualquer elemento no qual era a religião de uma só vez mais genuinamente hebraico e mais estreitamente identificado com o deus nacional. Existe uma boa motivo para acreditar que esta é a Torá sacerdotal uma instituição religiosa que pode ser corretamente atribuída a Moisés.... Ainda que Moisés não foi o autor da lei escrita, ele foi, sem dúvida que o fundador do ensino oral, ou Tora, que precedeu e passou a ser a base dos códigos do Pentateuco ".

As peças legais da Torá são encontrados em Ex.

XX-xxiii., xxv.-xxxi., xxxiv.-xxxv.; Lev.

i.-viii., XI.-xxv., xxvii.; Num.. v.-x., xviii., xix., xxvii.-xxx., estas leis sejam repetidos em Deut. iv.

e segs.

Joseph Jacobs, Ludwig Blau

Enciclopédia Judaica, publicada entre 1901-1906.

Bibliografia:

Bacher, Ag.

Tan.; Idem, Ag.

Pal. Amor. Índice, sv Tora e Studium der Lehre; Baumgartner, Les Etudes Isagogiques chez les Juifs, Genebra, 1886; Blau, Zur Einleitung morrer no Heilige Schrift, Strasburg, 1894; idem, zum Althebräischen Buchwesen und Studien zur Biblischen Litteraturgeschichte, Strasburg, 1902; Buchler, A Trienal Leitura da Lei e Profetas, em JQR vi.

1-73; Eisenstadt, ueber Bibelkritik in der Talmudischen Litteratur, Frankfort-on-the-Main, 1894; Förster, Das Mosaische Strafrecht em Cercador Geschichtlichen Entwickelung, Leipsic, 1900; Hamburger, RBT complementar vol.

iii. 60-75; Hastings, Dict.

Bíblia, iii.

64-73; judeu.

Encyc. vii. 633-638; Michaelis-Saalschütz, Mosaisches Recht, Berlin, 1842-46; Herzog-HAUCK, Real-Encyc.

xiii. 486-502; Weber, Jüdische Théologie, pp.

14-34, e Index, Leipsic, 1897; Winer, BR 3d ed., I.

415-422.

Para a críticas da Torá comparar os livros-texto da história do judaísmo e do Antigo Testamento Teologia.

Veja também Pentateuch.JLB

Este assunto apresentação do original em língua Inglês


Enviar e-mail uma pergunta ou comentário para nós: E-mail

O principal BELIEVE web-page (eo índice de assuntos) está em